O TESTEMUNHO DO SENHOR

17.6 O TESTEMUNHO DO SENHOR

Manjar Celestial:

https://www.facebook.com/103993307771874/posts/131488755022329/


Finalmente, o próprio Senhor condena um grupo de pessoas que se levantaria na igreja, chamados de “nicolaítas” (Ap 2:6, 15). Essas pessoas introduziram impurezas no testemunho cristão; e pelo significado de seu nome, muitos estudiosos da Bíblia concluíram que estas podem muito bem ter sido as primeiras sementes do clericalismo. A palavra “nico” significa “governar”, e “laitan” – que é a mesma palavra para laico – significa “povo”. Os nicolaítas eram um partido formado por pessoas que aparentemente buscavam meios de “governar sobre o povo”, e por isso poderiam muito bem ter sido o início do sistema que faz distinção entre clero e leigos. O Senhor nos diz especificamente que as “obras” e as “doutrinas” dos nicolaítas são coisas que Ele odeia (Ap 2:6, 15). Temos nisso tudo um testemunho abundante de quase todos os escritores do Novo Testamento sobre o fato de que haveria um grande distanciamento da simplicidade da fé cristã (2 Co 11:3-4).

Os apóstolos nos disseram que, em sua ausência, surgiria um sistema de coisas que não teria qualquer fundamento na Palavra de Deus. É verdade que em algumas igrejas ocorre uma parcela maior desse erro eclesiástico do que em outras. Mas, seja na basílica de São Pedro em Roma, seja na menor capela evangélica, a maioria delas – se não todas – trazem os princípios básicos do clericalismo inseridos em seus sistemas de governo. O crente que é instruído segundo os pensamentos de Deus não tem alternativa senão admitir que aquilo que se apresenta aos homens como a igreja de Deus tem pouca ou nenhuma semelhança com a igreja de Deus conforme é apresentada na Palavra de Deus. Sua pergunta poderá ser: “O que aconteceu?” Em poucas palavras, a resposta é que nós (a igreja) fracassamos.

https://www.facebook.com/103993307771874/posts/131488755022329/

A árvore mais cara do mundo

Título original: The world’s most expensive tree

Editora: Bible Truth Publisher

www.blibletruthpublishers.com


Foi reconhecida pelo Guinness Book, a árvore mais cara do mundo, custando mais de US$ 11 milhões de dólares. Não havia nada barato na árvore de Natal, ela se encontrava no lobby do Emirates Palace Hotel em Abu Dhabi. As árvores básicas custam pelo menos US$ 10.000 dólares, mas é o que foi pendurado a 43 pés (13 metros) no alto da árvore que lhe deu um valor incrível.

A Árvore de Natal foi decorada com ornamentos que eram de tirar o fôlego para o olho humano. Mais de 181 ornamentos de ouro e pedras preciosas, incluindo diamantes, pérolas, esmeraldas e safiras, penduradas nos galhos da árvore – tudo por um truque de marketing.

A realidade é que – um registro maior e permanente, listou outra árvore como a árvore mais cara do mundo. Mais uma vez, o valor da árvore deu-se por aquilo que foi pendurado nela. Na verdade, a “árvore mais cara do mundo”, até agora, ultrapassou o valor da árvore de Abu Dhabi, parecendo uma medíocre pretensão, tentar fazer qualquer comparação.


A árvore mais cara do mundo

As pérolas, o ouro reluzente, os diamantes brilhantes e todos os ornamentos nessa árvore são baratos quando em contraste com a “árvore mais cara do mundo”.

A árvore mais cara das eras não foi montada no lobby de um hotel de luxo para ser visto por olhos admirados. A árvore foi montada no topo de uma pequena colina estéril fora de Jerusalém. Parecia-se mais com um poste ou uma cruz do que uma árvore real. Não importava o ângulo do qual você visualizava – não havia nada agradável para o olho natural.

Na verdade, essa árvore tinha todas as marcas da brutalidade humana sobre ela. O verniz polido de bom gosto não estava em lugar nenhum. Tinha ainda, aqueles que passavam zombando e escarnecendo. A árvore mais cara do mundo não tinha valor para a maioria.


Valor Infinito

A madeira da árvore não era o que lhe dava valor. Era o pendurado na árvore que impulsionava o seu valor, através do abrigo da terra e até o próprio céu. O que estava pendurado naquela árvore era de valor inigualável – muito acima do preço de diamantes, prata e ouro. Lágrimas vêm aos olhos no próprio pensamento disto.

Um homem espancado e machucado estava pendurado naquela árvore. Sim, morte por crucificação era a maneira romana de executar o pior dos criminosos – mas esse homem era inocente. Ele era perfeito. Este homem havia sido despido de Suas roupas. Suas costas foram cortadas por uma surra horrível. Os homens repetidamente cuspiam em Seu rosto e davam socos n’Ele, batiam em Sua cabeça com uma vara, enquanto eles O vendavam. Então o último insulto reservado para aqueles que cometiam os crimes mais desprezíveis: eles cravaram Suas mãos e pés com pregos a uma cruz – uma árvore – e O deixaram morrer.


Seu nome era Jesus

Através de toda a tortura, nenhuma palavra ameaçadora veio de seus lábios. Nem um lampejo de raiva de Seus olhos – nada além de amor. Daquela árvore Ele orou a Deus e disse: Pai, perdoa-lhes.

Você precisa saber algumas coisas sobre essa árvore. Ali Deus colocou sobre Jesus a carga mais pesada de todas – Ele O colocou lá para morrer por nós, para ofertar a si mesmo como um sacrifício por nós. Ele se ofereceu para tomar a ira sagrada de Deus e o julgamento dos pecados em nosso lugar. Deus o fez ser pecado por nós” (2 Coríntios 5:20).

O apóstolo Pedro escreveu: “Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro”, (1 Pedro 2:24). Ele também disse: “[Vocês] fostes … resgatados … não com coisas corruptíveis, como prata e ouro … mas com o precioso sangue de Cristo” (1 Pedro 1: 18-19).

No final, pouco antes de Jesus morrer, Ele gritou triunfantemente com uma voz muito alta: “Está consumado!” (João 19:30). Ele então curvou Sua cabeça, entregou Seu espírito e morreu. O que foi que Jesus consumou? Jesus pagou minha dívida pelo pecado morrendo na árvore. “Pago na íntegra” é a frase equivalente na língua grega. Seu precioso sangue fluiu livremente. Você também pode reivindicar seu valor e dizer que seus pecados foram “pagos na íntegra”.

Sem dúvida, essa árvore é a árvore mais cara de todos os tempos por causa de “Quem” foi pendurado sobre ela e “o que” Ele realizou lá pelos nossos pecados.


Qual árvore significa mais para você?

Qual árvore é de maior valor para você – aquela elaboradamente decorada que só vai chegar ao Guinness World Records ou aquela registrada na Bíblia como a árvore sobre a qual os pecados eram pagos pelo precioso sangue que fluía do inocente e Único santo – o Senhor Jesus Cristo?

Este será o melhor momento de toda a sua vida, se você, pela primeira vez, receber o Senhor Jesus Cristo como seu próprio Salvador.


Título original: The world’s most expensive tree

Editora: Bible Truth Publisher

www.blibletruthpublishers.com

Tradução: André Ferreira.

Revisão: Guilherme Duarte.

A Graça e Simpatia de Cristo

A Graça e simpatia

A Graça e Simpatia de Cristo
De: W. T. Turpin
De: Light for the Pilgrim Path: Volume 2
Lucas 4:14-22; 7:11-16, 36-50

Meu objetivo ao conectar esses preciosos incidentes no ministério do Senhor na Terra – Suas relações pessoais com os homens – registrado em Lucas 7, com aquela escritura familiar no cap. 4, é, que possamos alongar-se um pouco esta noite no cumprimento de Sua própria palavra, que era tão peculiar e exclusivamente aplicável a si mesmo. Pois certamente nunca houve um na terra que pudesse amarrar os corações quebrantados, ou abrir a prisão para o cativo, mas Cristo; mas não é nem isso – abençoado e belo e precioso que seja – que quero trazer diante de você; mas eu busco, o Senhor me ajudando, chamar sua atenção para essas cenas esta noite, na esperança de que o Senhor possa estar satisfeito, através delas, para nos dar um desejo mais ansioso para se tornar melhor pessoalmente com Cristo. Porque, eu entendo, amado, que a maioria dos cristãos são mais versados em Seu trabalho do que Ele mesmo. Deus me livre, que de alguma forma se suponha que eu deseje diminuir a apreciação de Sua obra abençoada em nossos corações; mas tenho certeza de que não devo fazê-lo, se eu quiser ajudar, através da graça de Deus, a despertar um desejo mais ardente de conhecê-lo melhor pessoalmente; porque um conhecimento pessoal de Cristo é aquilo que aumenta e reforça, em um grau maravilhoso, o valor de Sua obra, pois eu então conecto com Sua obra toda a bem-aventurança e toda a importância e toda a preciosidade d’Aquele que a fez.

Agora vamos procurar por um momento ou dois nessas duas cenas em Lucas 7, como cumprimentos de Lucas 4:18:

“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para pregar o evangelho aos pobres; ele enviou-me para curar aos quebrantados de coração, para pregar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, e para pôr em liberdade os oprimidos, para pregar o ano aceitável do Senhor” (Lucas 4:18, 19).

Nós devemos olhar nestas duas cenas em uma ordem diferente daquela em que são apresentadas aqui; e começaremos com o último, e por este motivo: que antes de conhecer a simpatia de Cristo, você deve conhecer a graça de Cristo. Creio que há muitos que buscam a simpatia do Senhor que não estão realmente resolvidos e estabelecidos em Sua graça. Você vai marcar o que temos no final do cap. 7. É salvação, é a revelação da salvação, é a revelação do perdão dos pecados; pois todas essas coisas entrar. Você obtém a salvação e obtém o perdão dos pecados, inquestionavelmente. O Senhor diz à mulher: “…Os teus pecados são perdoados. … A tua fé te salvou; vai em paz.” (Lucas 7:48, 50); mas o que temos, essencialmente, que a partir de que todos estás fontes – a revelação de um Salvador pessoal. Agora pense que um fato imenso é para o coração. Você pode me dizer agora: você está falando do evangelho para nós. Você vai suportar comigo, amado, quando eu digo sinceramente, carinhosamente, e por convicção, que eu acredito que isso é exatamente o que precisamos. Ora, você nunca pode chegar ao fim do evangelho; porque o evangelho é a revelação do coração de Deus, uma coisa muito mais elevada do que o desdobramento de Seus conselhos, abençoados e maravilhosos como são. O coração de Deus é proposto e desdobrado para nós, e o que, posso perguntar, poderia ser mais maravilhoso do que isso?

O que torna esta cena tão precioso para nós, é, como eu disse, o fato de que é um Salvador pessoal para o mais vil; e não estou falando agora apenas da maneira pela qual uma pessoa pode obter o conhecimento de alívio para a consciência. Se uma pessoa se angustiava por causa da consciência, eu deveria recorrer às epístolas aos romanos e hebreus, e ver a maneira pela qual o Espírito de Deus trata do valor da obra de Cristo como esclarecimento da consciência, a fim de nos colocar não condenáveis na presença de Deus; mas não estou falando disso agora. O que tenho diante de mim esta noite é o próprio Abençoado, que ainda não tinha feito a obra, que estava prestes a realizá-lo, mas que estava apresentando todo o valor, preciosidade e bem-aventurança desta obra que ainda estava para ser realizado em Sua própria pessoa santa aqui, e que poderia atrair, e atraiu, por Sua graça, uma pobre miserável, criatura miserável no lugar de todos os outros na terra onde ela era menos provável de ser bem-vinda. Não havia um lugar onde esta mulher pudesse esperar encontrar tão pouco semblante como na casa de Simão, o fariseu, e não havia ninguém nesta terra que fosse menos tolerável em tal lugar que aquela mulher da cidade. Eles eram apenas os dois opostos, os extremos da humanidade – um fariseu e uma mulher da cidade, os grandes contrastes da sociedade.

A casa deste fariseu é onde esta cena aconteceu; e se penso na casa onde o Abençoado foi encontrado, ou a quem pertencia aquela casa, ou na pessoa que foi atraída, pela primorosa graça do Senhor Jesus, para aquele lugar inoportuno, para expressar em Sua própria santa presença que aquela graça a fez na profundidade de um coração partido, é uma cena maravilhosa; porque, observe, o centro de tudo é um Salvador pessoal. Agora, você pode me dizer que conhece a obra de Cristo, e eu não questionarei isto; Não vou desacreditar no mínimo o seu título a isso; mas isso eu pergunto: você sabe, para que você possa adorar falar disso (em humildade, mas ainda como um fato real), a Pessoa do Salvador? O Senhor Jesus Cristo tornou-se tão realmente uma Pessoa gloriosa e viva, conhecida em seu coração, que você pode dizer a respeito d’Ele: “Ele é o único com quem entrei em contato; eu o conheço pessoalmente e eu feito o Seu conhecimento quando não consegui chegar perto de outro; há Aquele ali com que entrei em contato, que deixou sua impressão de graça sobre meu coração, o que é indelével”?

Isso é o que nós queremos para se apoderar. Você terá uma ilustração disso em outra cena, familiar, neste mesmo evangelho. Foi exatamente a mesma coisa que se apoderou do coração de Simeão, no cap. 2, um judeu piedoso, cujas perspectivas, na medida em que esta terra estava em causa, foram então substituídas. Esta terra era a perspectiva e promessa do povo antigo de Deus, e aqui estava alguém esperando pela consolação de Israel; mas quando ele entrou no templo, e quando ele pessoalmente entrou em contato com o Senhor Jesus Cristo, e tem o Bebê em seus braços, qual é a sua confissão? Sua taça está cheia; ele viu a salvação de Deus e pode fechar os olhos em todas as perspectivas terrenas. Ele pode fazer aquilo que certamente de si mesmo não era uma perspectiva brilhante para um judeu – poderia morrer, a mesma coisa em que Ezequias estremeceu. Ezequias não suportou a ideia de morrer; ele era um servo de Deus, mas não suportava morrer; mas aqui está um homem que pode alegremente passar agora de todas as perspectivas. Quando ele tem o filho Jesus em seus braços, ele é como Jacó com o José vivo diante de seus olhos; o que ele diz? “Deixe-me morrer!” E, amado, esse é o efeito desse conhecimento pessoal de Cristo. Você pode pensar que está falando de um mero lugar comum, mas o que eu sinto é, que, em grande parte, perdemos a visão disso. Eu sinto isso mesmo; Eu sempre desço diante do Senhor, para pedir a Ele que mantenha vivo em frescor divino em minha alma o sentido daquele abençoado sendo Um homem vivo real diante de Deus. Eu sinto que assim como era o hábito para falar sobre o Espírito de Deus como se Ele fosse uma influência ao invés de uma Pessoa, assim que possamos pensar em Cristo, até que toda a realidade abençoada e distinta de Sua personalidade como Aquele que viveu e morreu e ressuscitou por nós é desvanecido de nossas almas. Estamos em perigo de perder a sensação de que Ele é realmente um homem sobre o trono de Deus no céu, que Ele é o mesmo Jesus ali, e que, embora o Seu lugar na glória celestial seja diferente, ainda assim Ele não é alterado em si mesmo. Que coisa maravilhosa isso é para o coração de uma criatura pobre, desprezível e sem valor! – para dizer, eu conheço um Homem lá em cima no trono de Deus, que é a Pessoa viva e objeto das afeições de minha alma, e que como eu venho em contato com Ele pessoalmente, eu tenho descanso. É um momento maravilhoso para os nossos corações quando obtemos a sensação disso, e é isso que realmente dá a unção da alma – embora eu dificilmente goste de usar a palavra, porque ela foi mal utilizada. Sim, a intimidade pessoal com Cristo dá um Salvador, e frescor e realidade da alma. Você não poderia entrar em contato com aquele Único abençoado pessoalmente, e não ser preenchido, em medida, com a graça, afeição e beleza que brilhava d’Ele. Deixa sua marca em cima de você. Eu não falo agora do modo em que isto é realizado; você vai descobrir que em 2 Cor. 3:18, a maneira na qual temos de fazer com Ele pessoalmente. “Mas todos nós, com a face descoberta, contemplando como em um espelho a glória do Senhor, …” – isto é, o próprio Senhor em glória, naquela nova esfera onde Ele está; e qual é o efeito disso? – “… transformados na mesma imagem de glória em glória, …” (2 Cor. 3:18). É uma Pessoa viva e glorificada, com quem a alma pela fé vem em contato pelo Espírito Santo: e embora não seja uma coisa visível, ainda é uma realidade, uma realidade divina. O efeito disso é visto, não apenas em um caso como o da pobre mulher aqui; mas olhe para isto nos servos de Deus, a mesma coisa é a verdade deles. Fiquei impressionado com isso ao pensar nos santos do Antigo Testamento, antes que Deus fosse revelado na trindade, e quando era somente Deus em unidade. O que é isso {que} marca a história dos santos? Relação pessoal com Deus. Enoque “andou com Deus”; e se você tomar um homem com problemas e dificuldades, como José, você encontrará “E o SENHOR estava com José, …” (Gên. 39:2). Se eu olhar para os jovens lançados, por sua fidelidade, na fornalha de fogo ardente, eu encontro este registro, que havia “… quatro homens soltos, caminhando no meio do fogo, e eles não tem ferimento, e a forma do quarto é semelhante ao Filho de Deus” (Dan. 3:25). Não era aquele uma pessoa? Não era meramente uma questão d’Ele sendo capaz de mantê-los e sustentá-los; eu não nego isso, mas foi mais do que isso, foi a Sua presença. O Senhor permite que tenhamos uma melhor percepção disso em nossos corações; aquilo que podemos desejar é cada vez mais, para conhecer Sua presença no poder da vida pessoal, de modo que possamos dizer “para que eu possa conhecê-lo”, e o que é tão maravilhoso assim? Esse foi o desejo do apóstolo em Fil. 3:10. “Para conhecê-lo, e o poder da sua ressurreição, …”. Não há nada além disso; embora eu esteja falando da coisa mais simples, ainda assim é mais profunda. Qual foi a palavra especial para os “pais”, na epístola de João? “Eu escrevo para vocês pais, porque vocês o conheceram desde o princípio” (1 João 2:13). Não é possível ir além disso; e eu pressiono agora porque sinto que estes são dias em que uma de duas coisas é provável que aconteça a nós – ou que devemos colocar nossas mentes e pensamentos ocupados com o mal em vez de com Cristo; ou que, se formos preservados de nos ocuparmos com o mal, teremos nossos corações cheios de nós mesmos – espiritualmente, quero dizer, não naturalmente; como nós fomos enriquecidos e abençoados, e aquilo em que fomos trazidos, e assim por diante, e, portanto, tão estéreis e impotentes quanto podemos ser, na verdade, realmente autocomplacentes.

O único remédio para qualquer um destes é o sentido da Pessoa que fez tudo de bom para mim. É aquele abençoado Cristo de Deus que estava aqui embaixo em circunstâncias de sofrimento e humilhação, e está agora lá em cima em glória, mas um homem ainda. Ele tem levado a humanidade ao trono de Deus; e pela fé eu posso ver lá, um homem real, no trono de Deus em glória celestial, imutável em afeição, o mesmo em toda a graça, e bem-aventurança e beleza de Sua Pessoa como Ele foi quando Ele pisou nesta terra – o mesmo em ternura, em bondade, em graça. Que realidade maravilhosa! O Senhor, pelo Seu Espírito, imprime o sentido disso profundamente em nossos corações, para que nós podemos desejar viver mais pessoalmente em contato com aquele Único abençoado.

E agora olhe nesta mulher novamente por um momento, como uma ilustração. Não preciso me demorar em Simão, o fariseu. Observe o contraste entre ele e a mulher. O fariseu provavelmente pensou que não havia ninguém tão bom quanto ele e, sem dúvida, queria ganhar algum crédito para si mesmo, pedindo ao Senhor para entrar em sua casa; enquanto esta pobre mulher, confessando si mesma como uma criatura miserável e de coração partido, tendo Cristo preenchendo seus pensamentos. É tudo Cristo. O que foi isto, amado, antes de tudo, atraiu-a ali dentro? Ela não conhecia o perdão dos pecados – ela não trazer isso dentro, pois como ainda ela não possuía isso; mas o que ela trazer dentro? Apenas um coração partido; e deixe-me assegurá-lo de uma coisa, um coração partido é justamente a condição que obtém o conhecimento da bem-aventurança da Pessoa de Cristo, porque foi um coração partido que Ele veio procurar aqui. Foi a miséria do homem que o trouxe aqui. Você sabe, amado, é uma coisa maravilhosa pensar nisso, e, no entanto, é verdade para todos nós, santos bem como pecadores, que em nossas alegrias estávamos distantes d’Ele, mas em nossas misérias Ele chegou perto de nós. Foram nossas misérias que O trouxeram para perto. Você descobrirá que quase sempre foi uma cena de tristeza e miséria que foi a ocasião para Ele mostrar a graça de Sua Pessoa aqui para baixo neste mundo; e tenho pensado muitas vezes que foi no Senhor que essa palavra encontrou a mais completa e abençoada verificação: “Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, …” (Ecl. 7:2). Não foi à casa de luto que Ele veio? O que é este mundo, mas uma grande cena de miséria? Foi aquilo que, por assim dizer, atraiu-o, e Ele tornou-lhe conhecido toda a graça de seu Pai e todo o amor de seu coração. Foi isso que trouxe essa mulher para Ele – a graça que brilhou em Sua Pessoa abençoada. E agora veja o efeito disso. A primeira coisa é que ela deve chegar onde ele está. Esse é sempre o efeito da graça; o desejo de conhecer a Cristo não é natural para nenhum de nós.

Posso apenas dizer que existe a possibilidade de falar sobre essas coisas de um modo humano – sobre amar a Cristo como se fosse uma afeição humana. Eu sinto cada vez mais a necessidade de estar atento a isso. Eu estou falando do amor divino – as afeições do novo homem que são chamadas e satisfeitas pela Pessoa de Cristo. Não é nenhum sentimento forjado nos corações – essa é uma questão muito fácil; mas é a apresentação objetiva à fé da Pessoa de Cristo, que é a fonte da afeição subjetiva do novo homem! E, portanto, você encontra isso, que você tem desejos depois de Cristo e deseja conhecer a Cristo na proporção em que está objetivamente diante de sua alma. Se ele é o único antes de sua alma, você vai querer estar com Ele, mas é todo formado por Ele, e gratificado por Ele, e, portanto, o próprio Cristo se torna a fonte e mantenedor das afeições do novo homem.

Agora eu digo então, foi a graça que atraiu esta pobre mulher. O que é tão bonito nela, é ver como ela enfrentou todas as dificuldades; tudo o que estava em seu caminho na casa de Simão nunca foi pensado. Oh, o poder de ter Aquele que está acima de todas as dificuldades simplesmente diante de você! Você nunca pensa em dificuldades. Como Maria em João 20, ela está tão decidida a encontrá-lo que nada a impede – nada a manterá longe. O Senhor, por Sua graça, concede que possamos conhecer o que foi chamado de “poder expulsivo de uma nova afeição”, até mesmo aquela abençoada Pessoa de Cristo na alma. É isso sozinho, que transforma todas as outras coisas. Bem, não há apenas o sentido na alma da mulher: “Preciso chegar perto d’Ele – nada pode me manter fora”; mas a próxima coisa que você encontra em sua ação é que ela não pode fazer o suficiente d’Ele. Tudo o que eu tenho (apesar de uma pobre criatura de coração partido), minhas pobres lágrimas, os cabelos da minha cabeça, eu os coloquei todos a seus pés. Meu unguento – tudo o que tenho é muito pouco para expressar o apreço que Sua própria Pessoa criou neste meu pobre coração partido; Eu só posso dar a ele minhas lágrimas e meus pecados. Este é, por assim dizer, sua linguagem e a de seu ato. Isso é exatamente o que a graça de Sua Pessoa provoca e que Ele quer; é isso que Ele veio a este mundo para buscar. Que realidade abençoada é pensar que Ele veio procurar lágrimas, tristezas e corações partidos! Não somos apenas as pessoas que Ele quer, os pobres, os cegos, os leprosos? Eu nunca poderia descrever o conforto que é saber que, no momento em que desci ao ponto mais baixo possível, lá Ele me conhece. Eu pergunto a você, em que companhia de escritura você gostaria de se associar? Qual das companhias nas escrituras Jesus está em casa? e qual você considerará como o mais adequado para você se relacionar? Isso é o que descobriria onde realmente somos – todos nós – a companhia que cada um de nós consideraria adequada para nós.

Ele me enviou para curar os de coração partido, para pregar livramento aos cativos e para recuperar a vista dos cegos, para libertar os que foram feridos.

Se você pode encontrar almas com estas marcas, é aí que Ele é encontrado, e para encontrar tais pessoas, certamente Ele veio a este mundo pobre. Esta mulher responde exatamente a esta descrição, e assim ela entra apropriadamente ali, colocando a Seus pés tudo o que ela tem, com suas lágrimas e suas tristezas, com a sensação de que ela não pode fazer muito d’Ele. É exatamente o que vemos em Natanael, quando ele tem a revelação do Senhor pessoalmente diante dele; ele não pode suficientemente exaltá-lo. “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel.” Não há título de glória grande demais para ser colocado sobre a Sua cabeça. Muitas coroas não quererão expressar tudo o que o coração encontrou em Si mesmo. Bendito seja o Seu nome, em sua cabeça estão muitas coroas, e tê-las ali é a alegria do coração que conhece alguma coisa da sua excelência pessoal

Não se pode deixar de se impressionar com a maneira do amor que essa mulher exibe – a delicadeza bela e refinada do modo pelo qual essa pobre criatura de coração partido deseja que o bendito Senhor conheça com o que Ele havia impressionado seu pobre coração. Tudo o que ela tem, ela coloca a seus pés; essa é a primeira maneira de ter a ver com Cristo. Suponha que agora era um pobre pecador, que nunca conheceu o perdão dos pecados, deve ser o mesmo. Ele deve conhecer a Cristo e deve vir a Ele como esta mulher fez. Eu acredito que o fruto de não pregar Cristo não é aparente na imperfeita apreensão da salvação que vemos ao nosso redor. Pedro desceu a Samaria e o que pregou? Cristo. Paulo foi à sinagoga e o que pregou? Jesus como o filho de Deus. É assim nas escrituras, onde quer que você se volte; tanto assim, amado, que muitas vezes, quando se entregam as escrituras, o coração afunda, por assim dizer, com a sensação de quão pouco captamos o espírito desse princípio abençoado que percorre todo o livro de Deus. Eu não me deprecio, pelo contrário, eu magnifico as riquezas da Sua graça que dá o valor total de Sua obra em detalhes para limpar a consciência.

Estou falando da necessidade de conhecer a Pessoa de Cristo, porque ela está tão perdida de vista e esquecida. Não é o que eu tiraria da apreciação de Sua obra, mas aumentá-la em nossos corações pelo senso do que é ter um conhecimento pessoal mais profundo do Senhor, como Aquele que realizou tudo tão perfeitamente.

Mas agora vamos olhar, não apenas para Ele em Sua excessiva graça como Salvador, mas na outra cena em que, na graça de Seu coração, Ele sai como Aquele que é capaz de simpatizar; quero dizer, aquela cena na cidade de Nain na parte anterior do capítulo. Aqui está uma cena da vida cotidiana; é isso que faz com que seja tão interessante para os nossos corações. “Ele veio para Nain” – você sabe que Nain significa “bonito”. Ele veio para a bela cidade e o que Ele acha lá? Exatamente o que é característico deste pobre mundo ao nosso redor. Não é este mundo lindo? Deus daria a Sua mão algo que não fosse belo? Quando ele inspecionou tudo o que Ele tinha feito, nós temos o registro do que Ele disse: “Muito bom”; mas o que encontramos agora? Morte está nele; é característico deste mundo. Não há uma folha, nem uma árvore, nem uma planta, nem um campo, nem uma flor que cresça que não seja bonita, mas há morte em tudo; e eu lhe digo mais do que isso, e deve ter uma grande resposta nos corações de Seu próprio povo que está aqui esta noite – não meramente a morte, mas se eu conheço este abençoado de quem falo, é a Sua morte. Isso é o que aconteceu neste belo mundo.

Bem, bem de acordo com o que venho dizendo, eis esta visão triste e lamentoso para encontrar o olho do Senhor: “… eis que ali um homem morto era carregado para fora, filho único de sua mãe, que era viúva; …” (Lucas 7:12). Você poderia conceber algo mais lamentoso do que isso? É como o profeta quando ele veio para Jericó. Era um lugar bonito, mas a água não era nada e o terreno era árido. E é isso que este mundo é – não este mundo como Deus o fez, mas este mundo depois do homem pecar nele. Não estamos no mundo como nos dias do Éden ou antes da queda; mas nós estamos no mundo como a queda o deixou, e o caracterizou, com todos os frutos de pecado, e não somente isso, mas os frutos da vontade do homem assim como por mais de dezoito séculos desde que Aquele abençoado foi assassinado nele. Estamos em um mundo onde o pecado e a morte sujam tudo o que é belo. O único conforto é, e é de fato abençoado, que Ele estivesse aqui nele, e, portanto, quando Ele encontra este espetáculo de tristeza (marque quão delicioso é), a simpatia pessoal de Cristo vem à tona. Qual é a primeira coisa que O toca quando Ele entra em cena? “E, vendo-a, o Senhor se compadeceu dela, e disse-lhe: Não chores” (Lucas 7:13). Não há um grito expresso ou um gemido não manifestado no coração de Seu pobre povo que Ele não tenha medido mais perfeitamente. Isso me lembra aquela linda escritura onde Jeová fala de Sua preocupação sobre o Seu antigo povo de Israel, quando Ele desdobrou o propósito do seu coração, diz: “… Certamente vi a aflição de meu povo que está no Egito, e ouvi o seu clamor …” (Êx. 3:7). Que pensamento para nossos corações, amado, que há Aquele lá em cima no trono de Deus no céu que vê as lutas, e conhece as dores, provações e pressão de cada um dos Seus pobres santos aqui abaixo na terra; e se você tem uma provação, ou uma dificuldade, ou um luto, ou uma tristeza, há um coração lá em cima no trono de Deus que entra nele, e sabe tudo sobre isso. E o que eu encontro é isto, que apenas na proporção em que esta preciosa simpatia de Cristo é agora conhecida, a simpatia humana é procurada. Não nego que a simpatia humana é muito doce para o coração, mas é, afinal, apenas a expressão de sua própria impotência. Podemos ir e sentar-nos ao lado do que está sofrendo, ou ir e tentar confortar um enlutado, mas quão pobremente podemos fazê-lo! Sente-se ao lado de uma pobre ovelha de Cristo, revirada e provada, e tentar introduzi-la na presença de seu Pastor e Senhor, e você verá quão pobremente você pode fazer isso! Quantos de nós interpretamos como se estivéssemos cumprindo um dever? Dizemos algumas palavras porque sabemos que é “a coisa certa” dizer. É o maior erro para qualquer um ser feliz em dizer “a coisa certa”. Mas apenas tente e seja um canal para transmitir a graça do coração de Cristo para encontrar um caso como esse, e você verá quão diferente isso é, e você sentirá quão pouco a simpatia do Cristo está fluindo através de você como o vaso para o conforto do sofredor. É exatamente como Ele mesmo impressionou seu próprio coração que você pode impressionar o outro. Você não pode aprendê-la como os homens aprendem teologia; não há meio pelo qual qualquer um de nós possa obter a impressão da graça de Cristo ou da simpatia de Cristo, exceto quando pessoalmente conhecemos a Cristo por nós mesmos. Devo estar pessoalmente em contato com Ele por mim mesmo, antes de poder ser versado em Sua graça ou simpatia.

Olhe para Ele aqui. O que Ele fez primeiro? Ele exerce Seu poder primeiro? Não. Qual foi a primeira coisa que O atraiu, o homem morto conduzido? Não. Era o coração partido do vivo, da mãe viúva; isso capturou o olho que tudo vê do Senhor. O Senhor viu e teve compaixão nela e enxugou suas lágrimas. Você conhece esse Cristo? Ele já esteve tão perto de você assim? Ele enxugou suas lágrimas? Você aprecia a abençoada consciência do fato de que quando você estava na solidão inexprimível, na provação, na dificuldade, com cada luz humana se apagando e sem um único ponto brilhante sobrando, havia Aquele que veio ao seu lado e lhe deu o sentido de Sua presença e saber que Ele estava lá com você em tudo isso? Não é meramente que Ele te tirou você das circunstâncias, mas Ele andou com você através delas. Como o apóstolo poderia dizer: “Porque esteve comigo esta noite o anjo de Deus, de quem eu sou e a quem eu sirvo,” (Atos 27:23); e uma noite escura também era, mas veja como ele é capaz de confortar todos os outros, e qual é o ponto de vista dele, o que tem ele, teve conforto? Apenas isso que tenho citado, o “… anjo de Deus, a quem sou e a quem sirvo”, quem situou-se ao lado dele; e agora, ele diz, posso confortá-lo da mesma fonte de onde obtive meu conforto. E mais do que isso, quando ele é abandonado – e você deve esperar ser abandonado se seguir o Senhor e tiver que andar sozinho, é o dia de andar sozinho, nesse sentido. Deus conceda que eu nunca possa negar por um momento, como alguns negaram, toda a verdade que está relacionada ao nosso estar juntos, ainda juntos, e ainda assim será a nossa experiência ao seguirmos a Cristo neste dia. Se você seguir a Cristo, você será deixado como Paulo foi deixado, e o que faz ele dizer? “… ninguém estava comigo; antes, todos me desampararam”. E confio que não sou caridoso quando digo que não acredito que haja mais fidelidade hoje do que havia na época. “Todos me desampararam”; mas o que se segue? “Mas o Senhor estava comigo …” (2 Tim. 4:17). Existe a Pessoa novamente; e, o apóstolo não diz que o Senhor o fortaleceu e ficou ao lado dele, mas o Senhor o apoiou, deu-lhe o sentido de Sua própria companhia pessoal, antes de exercer Seu poder por ele, e que é exatamente isso que obtemos aqui. Ele encontra o coração e enxuga as lágrimas amargas, amarra o coração partido. A primeira coisa que Ele faz é tocar o coração daquela viúva – antes d’Ele tocar no esquife. Você sabe o que é isso? Foi exatamente o que Ele fez com Maria em João 11. Ele não diz uma palavra sobre levantar Lázaro, por quê? Porque Ele mesmo estava preenchendo o coração dela. Ele ressuscitou Lázaro depois – e a morte não pode existir em Sua presença; mas primeiro ele deve consolar o coração enlutado. Assim é aqui – a primeira coisa é curar o coração partido, para dizer “não chore”; e então, “jovem, eu te digo, levante-se!” E então olhe para a graça abençoada e requintada de Cristo: “Ele o deu a sua mãe.” Ele poderia tê-lo reivindicado para si mesmo, mas não, Ele exibe toda a perfeição de Sua simpatia humana, bem como todo o poder de Sua Divindade – a simpatia do homem e o poder de Deus.

O Senhor, por Sua própria e rica e soberana graça, use a palavra esta noite para despertar nossos corações para que possamos entrar em contato pessoal com o Senhor Jesus Cristo, e sermos capazes de dizer o que não é realmente uma grande coisa— não deveria ser assim: nós conhecemos uma Pessoa como não conhecemos ninguém na terra, alguém cujo coração é, além de toda concepção, interessado em nós e ocupado conosco. Não há ninguém na terra a quem você possa contar suas andanças, sua frieza, sua indiferença e sua indiferença, e saiba que você se encontraria com a graça que deve se exceder tudo, e com o poder que seria transmitir força para você. É isso que Cristo faz – uma Pessoa viva com quem eu entro em contato; através de quem eu não meramente conheço a salvação, mas para quem eu encontrar meu refrigério para ir e desabafar meu coração sobre tudo, sabendo que não há uma circunstância, por mais insignificante ou pequena, mas há uma resposta em graça a tudo que posso eu trazer.

O Senhor familiariza cada um de nós mais com a graça de Seu bendito Filho; de modo a assegurar mais lealdade, e mais dedicação, e mais sincero seguimento e serviço de Si mesmo – por Seu próprio Nome da causa!

A Graça e Simpatia de Cristo
De: W. T. Turpin
De: Light for the Pilgrim Path: Volume 2
Lucas 4:14-22; 7:11-16, 36-50

As Dificuldades do Caminho

As dificuldades

As Dificuldades do Caminho – J. N. Darby

“Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos” (Hebreus 12:3).
Ó Senhor, através da tribulação Nossa jornada de peregrino jaz, Através de escárnio e dolorosa tentação, E inimigos vigilantes; Entre os perigos que nunca cessam Nós através do deserto perambular, Como peregrinos aqui e estranhos, Nós procuramos o descanso por vir.

Ó Senhor, Tu também uma vez se apressou Deste fatigado deserto do princípio ao fim, Uma vez plenamente tentado e provado Sua amargura e aflição. E, portanto, o Teu coração é terno Na mais genuína simpatia,
Embora agora os céus renderam
Todo louvor a Ti no alto.

J. G. Deck

Temos nós aquela fé que assim realiza a presença de Cristo, de modo a nos manter tão calmos e compostos no mar agitado como o suave? Não era realmente uma questão do mar agitado ou suave quando Pedro estava afundando na água, pois ele teria afundado sem Cristo tanto no suave como no mar agitado. O fato era que o olho estava fora de Jesus e na onda, e isso o fez afundar. Se continuarmos com Cristo, entraremos em todos os tipos de dificuldade – muitos mares buliçosos – mas sendo um com Ele, Sua segurança é nossa.

Se uma tempestade surge e se Cristo parece dormindo e insensível para o perigo – embora “Ele que lhe preserva Israel procederá tampouco sono ou dormir” – como discípulos nós estamos no mesmo barco com Ele. O Senhor nos dá a descansar naquilo com indiviso, comensal coração, pois Cristo está no barco assim como a água.

O mais perto estamos a Deus, quanto mais nós queremos força para andar ali.

“No SENHOR confio; como dizeis à minha alma: Fugi para a vossa montanha como pássaro?” (Salmo 11:1). Medo e incredulidade iriam instar voo, como um pássaro, longe da cena para um lugar de refúgio e segurança humana. A fé olhar mais alto: “Em Jeová tenho eu posto minha confiança.”

“E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus” (Mateus 14:29). Este caminhar tem nenhuma outra fundação do que “Se és Tu” – que é dizer, Jesus Ele mesmo. Não há nenhum suporte – nenhuma possibilidade de caminhando – se Cristo seja perdido de vista. Todos dependem n’Ele.

Agora isso resolve cada dificuldade para responder, não que o mal esteja ali, em fazer isto ou aquilo, mas porque estou eu fazendo-o? É isto por Deus ou a mim mesmo?

Deus “é hábil para fazê-lo excedendo abundantemente … de acordo ao poder que opera em nós”. Isto é o que nós somos de olhar por agora. Tem seu coração se apossado disto? … Quão pequena fé há no poder de Deus! … Eu nunca consigo pensar em um poder do mal que não esteja abaixo do Seu poder.

O Cristão não pode estar em uma dificuldade que Cristo não é suficiente, nem sobre uma longa, estrada escura onde ele não pode encontrá-lo o suficiente.

Nós podemos passar através de estreitos e difíceis lugares, mas Ele não é o menos fiel, apenas nos deixa a olhar para Ele, e Ele está ali, mesmo quando Ele parece nos desamparar, em ordem ao colocar a fé à prova e para nos fazer conhecidos a nós mesmos.

Ali está um Deus sobre todas as circunstâncias adversas e indesejáveis influências. E nossa senda para poder está em deixar a paciência ter seu trabalho perfeito … Confiança n’Ele. Ele tem poder para trabalhar onde nós menos o esperamos.

As Dificuldades do Caminho – J. N. Darby

Devo levantar as mãos para orar?

Extraido de: https://www.respondi.com.br/2012/07/devo-levantar-as-maos-para-orar.html?m=1

Você viu muitos cristãos que oram levantando as mãos para o alto e quer saber se isto é uma necessidade na oração. Certamente não existe uma posição específica para orar, já que encontramos na Bíblia pessoas orando em pé, deitadas, de joelhos etc. Também não me lembro de existir alguma passagem que diga que a oração deva ser com os olhos fechados. Vemos o Senhor abençoando os pães de olhos abertos fitos nas alturas.

Luc_9:16 E, tomando os cinco pães e os dois peixes, e olhando para o céu, abençoou-os, e partiu-os, e deu-os aos seus discípulos para os porem diante da multidão.

Daniel tinha o costume de orar três vezes ao dia com as janelas abertas para o lado de Jerusalém, e acredito que ele orasse olhando pelas janelas. Em Atos 16 vemos Paulo e Silas orando e cantando na prisão com os pés presos ao tronco, uma posição das mais desconfortáveis. No Antigo Testamento encontramos Jonas orando no ventre do grande peixe, e dificilmente imaginaríamos alguém de joelhos ou com as mãos literalmente levantadas em um lugar assim. Por isso creio que mais importante do que a posição do corpo na oração seja a condição de alma de quem ora. Vamos à passagem de sua dúvida:

1Tm 2:8 Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.

O verbo “levantar” no grego pode ser traduzido como literalmente erguendo as mãos ou simplesmente no sentido figurado de mostrá-las, que é o que entendo ser o significado aqui. Mesmo porque a questão não é de forma, mas de conteúdo. Não é o modo como posiciono minhas mãos aqui, mas a condição em que elas devem estar, ou seja, “santas”. A força da passagem não está na posição física das mãos mas na condição moral. Elas devem ser santas porque aqui o assunto é a oração e Deus não irá escutar a oração daquele que pratica a iniquidade.

Slm 66:18 Se eu atender à iniqüidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá;
Porém o homem religioso é sempre pronto a imitar ou se posicionar fisicamente de modo a demonstrar piedade ou para que outros vejam. O Senhor advertiu que aqueles que oravam nas praças para serem vistos pelos homens já tinham recebido seu galardão, ou seja, aquilo que buscavam: serem vistos pelos homens.

Se olharmos com atenção a passagem vemos que a importância está, primeiro, na necessidade de orar: “Quero… que os homens orem”. Aqui está falando de varões, ou seja, não está incluindo mulheres, pois elas são tratadas mais adiante. Portanto fica bem claro que as mulheres não devem orar em todo lugar, ou seja, ao menos publicamente. A mulher pode evidentemente ter sua oração privativa ou orar com outra mulheres, mas há lugares e situações em que caberá ao varão orar.

Outro aspecto importante da passagem está na frequência e lugar, ou seja, “em todo o lugar”, o que significa também dizer que devemos viver em estado de oração, orando sempre, porque sempre estamos em algum lugar incluído nesse “todo lugar”. Então vem as condições das mãos, “santas”, obviamente não mãos que derramam sangue, que fazem o mal, que aceitam ou pagam suborno.

Finalmente, a condição de alma de quem ora deve ser sem ira nem contenda (algumas traduções trazem “sem ira e sem duvidar”. Mas será que alguém iria orar com ira e contenda? Sim, e são muitas as ocasiões em que vemos pessoas orando, ou para descarregarem em Deus suas mágoas contra alguém, ou para passarem um recado a algum desafeto presente como se estivesse orando a Deus.

Neste sentido também não é correto transformar a oração, que deveria ser dirigida a Deus, em uma pregação ou exposição bíblica. Deus não precisa que expliquemos a Ele as doutrinas de sua Palavra. Ele conhece todas elas. Se falarmos de seus feitos como forma de agradecimento, reconhecimento ou louvor, então tudo bem. Mas se transformarmos nossa oração em um tratado teológico ou, o que é pior, em uma forma de mandar recados para alguém presente na sala, dizendo com indiretas algo que não teríamos coragem de dizer pessoalmente, então certamente esta não é a oração com mãos santas e sem ira nem contenda.

Considerando meu irmão

Considerando meu irmão

Extraído de: https://manjarcelestial.blogspot.com/2009/03/considerando-meu-irmao.html?m=1

“O amor cobre todas as transgressões” (Pv. 10:12). Que maravilhosa declaração é esta! Implica em algo muito prático e ativo, nada teórico, pois é a marca característica pela qual os cristãos são conhecidos (Jo. 13:35). Amor é a diferença entre religião e Cristianismo, entre sinceridade e o que é abstrato e superficial. É o único motivo para um serviço aceitável ao Senhor.

Este amor, posto por Deus nos corações dos crentes (Rm. 5:5), é o poder que nos capacita a agirmos como devemos. É amor que se regozija quando outros, e não nós, estão sendo louvados e honrados; amor que é grato quando o Senhor usa outros para promoção de Sua Glória, sem inveja, ciúmes ou qualquer sentimento indigno que possamos imaginar.

O verdadeiro amor para com o povo do Senhor sempre nos levará a nos esforçarmos, tendo maior consideração com os outros do que com nós mesmos. O que mais poderia significar a expressão “o amor cobre”? Talvez a mais prática demonstração disso é a ausência de fofocas e mexericos, nunca falando de nossos irmãos ou irmãs de uma maneira negativa. Deveríamos nos esquivar de expô-los a boatos. Quando soubermos de algo errado, é melhor que falemos com o Senhor sobre o assunto. Isso revela nossos sentimentos verdadeiros e nosso próprio estado espiritual.

Quando espalhamos algo, toda a assembléia é afetada. Mas quando nos dirigimos ao Senhor, o Espírito Santo pode, em resposta às nossas orações, iniciar uma obra sobre o coração e consciência do infrator, para trazê-lo ao arrependimento ou abatê-lo sob a disciplina do Senhor. Mas o amor para com nosso irmão vai mais além, induzindo-nos a tratar com ele de uma maneira terna e graciosa, com benignidade e mansidão, procurando ajudá-lo em sua dificuldade (leia Gl. 6:1,2).

Há uma bela figura no Antigo Testamento (Ex. 25:31-40), em conexão com o castiçal, que é muito instrutiva para nosso relacionamento entre irmãos. Um castiçal era, na verdade, uma pequena lâmpada ou lamparina contendo azeite de oliva e um pavio. O pavio iluminava somente algum tempo e logo se queimava formando uma crosta de carvão que necessitava ser retirada com os espevitadores. O Senhor havia dito a Moisés que fizesse um castiçal de ouro com sete lâmpadas, além de seus acendedores e apagadores de ouro puro.

Quanto mais leio a Bíblia, mais fico impressionado com a importância de cada palavra. O que podemos aprender de espevitadores e apagadores? Bem, se a lâmpada devia se manter acesa, era necessário espevitá-la, ou seja, aparar o seu pavio algumas vezes. E se queremos brilhar constantemente por Cristo, haverá ocasiões quando teremos que julgar a nós mesmos na presença do Senhor, ou ficaremos exatamente como um pavio queimado que obscurece a luz. O sacerdote no Antigo Testamento entrava no Tabernáculo e espevitava a lâmpada, usando um espevitador de ouro. Ouro, nas Escrituras, nos fala daquilo que é divino, e assim o crente que precisa repreender a seu irmão deve aproximar-se dele em comunhão com o Senhor. Se for neste espírito será capaz de ajudá-lo.

O que o sacerdote fazia com o pavio queimado, quando o levava embora? Será que espalhava suas cinzas ao redor, para que caísse em sua túnica branca e em suas mãos, sujando a si mesmo e às vestes dos demais sacerdotes? Oh, não! Ele tomava aquele pavio negro e sujo e o colocava em um apagador de ouro, e o cobria sem sujar ninguém. É isto o que o amor faz! Não divulga as falhas dos irmãos, mas as cobre na presença de Deus.

Quando Satanás não consegue fazer-nos indiferentes para com o pecado, ele tenta levar-nos ao outro extremo, fazendo com que julguemos sem nenhuma misericórdia. Davi parecia saber disso quando falou: “…caiamos nas mãos do Senhor, porque muitas são suas misericórdias; mas nas mãos dos homens não caia eu” (II Sm. 24:14). Há uma tendência em nós próprios de sermos duros e impiedosos uns para com os outros, esquecendo-nos da graça e misericórdia com que Deus nos trata. Temos a recomendação do Espírito, “Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo” (Ef. 4:32). Este é o perdão que inclui graça para perdoar.

Bom é para nós lembrarmos que a igreja ou assembléia é uma congregação de pecadores arrependidos, e o Céu é um lar para pecadores arrependidos. Assim como buscamos, por Sua graça, manter a verdade de Deus, possamos buscar também trazer diante de nós um sentimento de graça, misericórdia e paciência, pois tudo isso Ele nos tem demonstrado.

Autor desconhecido. Traduzido de “Christian Truth – nov.8

Considerando meu irmão

Extraído de: https://manjarcelestial.blogspot.com/2009/03/considerando-meu-irmao.html?m=1